terça-feira, 19 de outubro de 2010

Sobre Smallville e um jeito novo de ver os heróis

Atenção : Post em MODE TIETE : ON

Eu gostei de Smallville desde o primeiro episódio. Deixei de propósito todo o meu conhecimento anterior sobre o Super Homem e o universo dos quadrinhos de lado e curti esta nova leitura do homem de aço com a mente aberta.
Hoje vejo que fiz bem, muito bem em não me apegar à história original, afinal, Smallville tomou muitas liberdades com Clark Kent e sua vidinha de fazendeiro do Kansas.
Aliás, meninos do Kansas são deliciosos, vide os garotos Winchester que também são do Kansas.
Gostei da idéia de um pai para o Lex logo de cara. Talvez porque eu amasse o John Glover desde que ele interpretou o Diabo em Brimstone, o cara é sensacional e detonou como Lionel Luthor.

Lionel Luthor
Puro charme e maldade.
Odiei quando ele ficou bonzinho,
ainda bem que o mataram logo depois.

O Lex foi outro capítulo à parte, espetacular, adorei o Michael desde o primeiro instante e sofri muito vendo a gradual transformação do Lex em um cara sem moral e escrúpulos.

O Michael Rosembaum é tão fofo que foi duro odiar o Lex.

A Chloe foi, sem dúvida a melhor personagem que poderiam ter criado. Achei que estragaram um pouco a essência dela nas últimas temporadas mas continuo adorando a melhor amiga do Clark.

Chloe - amei e odiei em vários momentos.
Mas continuo achando que ela foi a melhor sacada dos produtores.

Eu sempre achei a Lana Lang uma bestinha chata e totalmente dispensável na série por isso, adorei quando enfiaram a Lois goela abaixo do público. Me diverti muito vendo os críticos e os xiitas estrebucharem de raiva pelo fato dela ter entrado na série. Sou fã da Lois e de todas as confusões que ela arruma.

Lois na série foi um ponto a mais no meu conceito.

Amei cada pequena homenagem que fizeram aos quadrinhos ainda que estivessem totalmente fora do contexto das HQs. A Liga foi a melhor, o episódio Justice me fez chorar com a cena dos heróis se afastando com as chamas por trás.

Justice.
Foi de arrepiar

E claro, a entrada no Arqueiro Verde no elenco só deixou a série ainda mais interessante. O Justin é uma graça e fica tão à vontade no personagem que dá gosto de ver, bom ator, ele consegue resistir a todas as tentativas dos roteiros de estragar o Arqueiro Verde.

Justin Hatley - Oliver Queen - Arqueiro Verde
E ele nem precisava ser tão bonito assim.

Eu cheguei a desanimar com a série na oitava temporadas. Assistia um episódio, perdia outro. Até que fiquei sabendo que o Michael Shanks ia participar como ninguém menos que Carter Hall da Sociedade da Justiça com direito a episódio de 2 horas de duração. Eu amo o Michael desde Stargate SG-1(depois conto como me apaixonei pelo Dr. Daniel Jackson) e não poderia perdê-lo justamente em Smallville. e Absolute Justice foi de arrepiar é claro. E eu babei tanto que nem me lembrava do roteiro quando o episódio terminou.

Sem comentários.





Justin e Michael, enchendo os olhos.

Absolute Justice. Absolute Bliss.

Mas o melhor mesmo da série é o Tom Welling. Mesmo com gente criticando a atuação dele desde o início, eu gosto dele como Clark, gosto do jeito humano dele, das falhas, do medo de voar, das dúvidas.
Quem acompanhou como eu, desde o início pôde ver Clark amadurecendo aos poucos, crescendo com os ensinamentos mais do que sábios de Jonathan e Martha Kent. Era gritante a diferença entre o tratamento recebido pelos pais entre Clark e Lex, ficava evidente a cada episódio que Lionel Luthor era o responsável pelo homem sem caráter que Lex se tornou enquanto Jonathan formava com amor, sabedoria e respeito aquele que será o protetor da Terra.
Acho que foi isso que me deixou apaixonada por Smallville, o amor que ele sente pelo planeta que o adotou e o respeito que ele tem pelo que seu pai lhe ensinou.
As mudanças na personalidade de Clark, as idas e vindas amorosas durante as temporadas, foram todas de alguma maneira muito bacanas de se ver, ainda que não estejam exatamente de acordo com o canon original das HQs.
A história da Supergirl foi ótima também e eu adorei a Laura no papel.

E que colírio para os rapazes!
Depois reclamam que a gente baba nos  meninos.
Não posso dizer que gostei de tudo, mesmo porque já disse que larguei a série na oitava temporada mas acho que, pesando tudo no final, os pontos positivos ganham de longe dos negativos, ao menos em minha opinião.
O conhecido aperto no peito já começou pois a décima será a última. Odeio acompanhar temporada final, a sensação de perda vai aumentando gradativamente e, de repente "puf"...tudo acaba.
Mas será inevitável e esta, eu não vou perder de jeito nenhum.
Depois, é só correr atrás dos DVDs e começar tudo de novo.

Tem gente que odiou.
Eu amei esse uniforme!



Ok, foi culpa dele eu me apaixonar pela série.
Mas quem não se apaixonaria?

3 comentários:

Lisa Sukys Starbuck disse...

Eu não acompanhei episódio por episódio, mas conheço a trajetória da série. Vejo Smalville como um universo alternativo e isso me permite, como fã de quadrinhos, assistir de coração leve :D
Particularmente acredito que a décima temporada será uma das melhores e isso é excelente para todos os fãs!
Ah, embora seja O'Neal de carteirinha, adoro Daniel Jackson too. Stargate é uma das minhas séries preferidas.
Eu amo séries, não tem jeito!
Excelente texto, linda amiga!
Bjs

@ns_bruno disse...

Excelente post!!

Sim,sim...também acompanho Smallville desde o início e, apesar de achar que tropeçaram em algumas cosias, no fim, os pontos positivos disparam...vão muito além!!

Meus personagens preferidos sempre foram o Lex e a Chloe, e gostei muito da entrada da Lois e do Arqueiro...

...e agora, é só aguardar a temporada derradeira, com alegria e ao mesmo tempo dor no coração, hsuahshuahshahsahauhshaushhasu!!!!

Bjs, <o/

Mica disse...

Sil, concordo com quase tudo o que você disse. Minha única discordância é em relação ao Jonathan Kent. Embora seja clara a diferença na forma de tratamento dos pais do Lex e do Clark (e ninguém pode duvidar do amor e carinho do Jonathan), eu sempre achei que boa parte das inseguranças e mesmo o lado negro do Clark veio da forma como o Jonathan pensava. Ele era um pai amoroso, mas terrivelmente preconceituoso e desconfiado, além de superprotetor. Se Clark se saiu um bom homem, foi graças ao caráter de Martha e não de Jonathan. Tanto que o Clark só cresceu mesmo como personagem e como pessoa depois que o Jonathan saiu e mesmo assim ainda carregou por muito tempo o ranço do pai. Foi só depois do seu fantasma largar o Clark é que pudemos visualizar o verdadeiro superman (porque a verdade é que se dependesse do Jonathan, Clark jamais se tornaria o Homem de Aço, seria sempre o rapaz de Smallville com a cabeça enfiada na areia como a avestruz).
De resto, sou fã de Smallville apesar de todos os seus erros no decorrer dos anos. Sentirei muita falta quando se for.
(e também adoro o Michael Shanks. Mas fala sério, alguém que o conhece não o adora? ^_^).